Maria Carolina Trevisan

Copa: post contra Mbappé prova que Brasil é racista e futebol espelha isso

Maria Carolina Trevisan

01/07/2018 14h31

Momento em que Mbappé é derrubado por Marcos Rojo após disparada que levou ao pênalti contra a Argentina – Imagem: Kevin C. Cox/Getty Images

A arrancada do jogador da França Kylian Mbappé chegou a 32 km/h e levou ao pênalti contra a Argentina, que abriu o placar a favor dos franceses. A imagem do jovem negro de 19 anos, filho de mãe argelina e pai camaronês, cruzando o campo em disparada foi o suficiente para que um youtuber brasileiro associasse a corrida a um arrastão na praia. Foi um óbvio ato racista:

Post apagado pelo autor após repercussão negativa

Julio Cocielo tentou remendar dizendo que a associação nada tinha a ver com a cor da pele do jogador francês, e apagou o post publicado em sua conta no Twitter. Disse estar arrependido.

Mas não foi a primeira vez que o ~ingênuo~ moço cometeu racismo. Em pouco tempo, apareceram mensagens em que ele explicita seu preconceito racial ao ponto de pedir o extermínio dos negros. Ele minimizou. Disse que eram outros tempos. Que até se sente envergonhado. Classificou seus posts como “comentários infelizes”.

Não são comentários “infelizes”. São comentários racistas. Cocielo não é nenhum coitado. Tem um público de 16.823.254 de inscritos em seu canal no youtube. Tem mais de 7 milhões de seguidores no Twitter. O que ele diz, ecoa (e deve render bem, ele é garoto propaganda de grandes marcas).

Imigração na França

Cerca de 10% da população da França é imigrante. Uma pesquisa publicada na última sexta (29), revelou que 60% dos franceses consideram que o país acolhe imigrantes demais. A enquete, realizada pelo instituto Odoxa-Dentsu Consulting, mostrou também que a população sente mais medo que compaixão pelos imigrantes oriundos de países como Síria e Iraque.

É uma sociedade que rechaça seus próprios craques. Zinedine Zidane, por exemplo, considerado um gênio por sua elegância e capacidade técnica, é descendente de argelinos. A seleção francesa não seria nada sem seus jogadores de origem africana.

Mbappé se tornou o primeiro adolescente a marcar dois gols em uma partida de Copa desde 1958, na Suécia. Foi parabenizado por ninguém menos que Pelé. O jovem atacante do PSG doa seu salário na Copa (20 mil euros por jogo, quase 90 mil reais) instituições filantrópicas. Educação que ganhou dos pais africanos.

Futebol e racismo no Brasil

Futebol é a manifestação da cultura de um país. Tem a capacidade de escancarar o pior e o melhor de uma nação. Por isso, é importante saber como, do ponto de vista racial, se estruturou esse esporte no Brasil, país que abrigou a mais longa escravidão do planeta, e que mais escravos trouxe da África.

O futebol chegou ao Brasil trazido pelos ingleses, em 1874. Passaram-se 31 anos até que jogadores negros fossem aceitos oficialmente nos clubes. Bangu e Ponte Preta disputam entre si o título de primeiro clube a aceitar negros, na década de 1920. Anos depois, o Vasco levou a taça do Campeonato Carioca com um time que incluía negros. Antes disso, os atletas usavam pó-de-arroz para embranquecer a pele e entravam em campo com toucas para esconder os cabelos crespos. Porque, como diz o escritor cubano Carlos Moore, o racismo é plástico. Ele não acaba, ele se adapta, mostra suas máscaras, e nunca para.

A partir da década de 1930, com a profissionalização do futebol, os clubes queriam jogadores negros, os melhores. “Era a vez do preto, agora sim. Ia-se a um treino de um Fluminense, de um Flamengo, de um América, de um Vasco, os pretos se amontoavam na pista. Não admira, portanto, que um time quase inteiramente de pretos fosse o campeão de 1933. Para se ter uma ideia, eram oito mulatos e pretos no time do Bangu”, escreveu Mário Filho em seu livro O Negro no Futebol Brasileiro.

O racismo persiste. Jeovânio, Tinga, Arouca, Manoel, Roberto Carlos, o árbitro Márcio Chagas da Silva, Neymar, Dani Alves, Paulão, Obina, Ubaldo, Cafu e Aranha já passaram por situações de racismo em campo. Mas a própria estrutura do futebol oprime quem é negro. Mesmo com toda a genialidade do jogador negro no futebol brasileiro, poucos chegaram ao alto escalão do futebol. É mínimo o número de técnicos negros.

Em 2014, depois que o goleiro Aranha (no Santos) foi chamado de macaco em uma partida contra o Grêmio, o compositor Emicida me deu uma entrevista sobre racismo e futebol, para o site Ponte. Ao perguntar o que uma criança negra sente ao ver um ato racista em um jogo de futebol – ou como consequência de uma partida, ele disse: “Você sente vergonha da cor da sua pele. Faz com que a pessoa vá se esforçar o resto da vida para se tornar invisível e não ser mais agredida.” Quem comete racismo em jogo, comete racismo em qualquer lugar. Não tem graça, não é uma “brincadeira infeliz”, não é piada. É crime, inafiançável e imprescritível.

 

Sobre a autora

Maria Carolina Trevisan, 40, é jornalista especializada na cobertura de direitos humanos, políticas públicas sociais e democracia. Foi repórter especial da Revista Brasileiros, colaborou para IstoÉ, Época, Folha de S. Paulo, Estadão, Trip e Marie Claire. Trabalhou em regiões de extrema pobreza por quase 10 anos e estuda desigualdades raciais há oito anos. Coordena a área de comunicação do projeto Memória Massacre Carandiru e é pesquisadora da Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós Graduação. É coordenadora de projetos da Andi - Comunicação e Direitos. Em 2015, recebeu o diploma de Jornalista Amiga da Criança por sua trajetória com os direitos da infância.

Sobre o blog

Reflexões e análises sobre questões ligadas aos direitos humanos: violência, polícia, prisão, acesso a direitos, desigualdades, violações, racismo, sistema de Justiça e política.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Maria Carolina Trevisan
Topo